sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

domingo, 4 de dezembro de 2011

domingo, 20 de novembro de 2011

Dia dos Namorados

No dia dos namorados,

Ela não pode namorar,
Nem mesmo sendo o aniversário dele.

No dia dos namorados,
Ela vai até ao mar
Com pétalas no regaço
E um olhar já muito baço,

De quem vê mal
Nos seus 77 anos,
Entre lágrimas contidas
E cataratas.
A Filha vai com ela
Num cortejo solitário.
Leva pétalas numa mão
E agarra-se à Mãe
Num abraço.

O choro convulsivo da Filha
Contrasta com a dor contida da Mãe
E mistura-se no sal do mar.

No dia dos namorados,
Ela só pensa Nele
E na Mãe,
Que não quer perder
Para os deuses
A Mãe é dela.
Já lhe levaram o Pai.

No dia dos namorados,
Elas, lentamente,
espalham pétalas de rosa
vermelhas
espalham pétalas de rosa
brancas
Num tapete
Que as ondas,
A espumar,
Arrastam violentas
Como arrastaram as cinzas dele
Naquele dia de nortada em Agosto,
Feriado de Nossa Senhora da Assunção

No dia dos namorados,
Talvez o céu se abra
E elas possam, ao menos,
Cantar-lhe os parabéns,
Como sempre fizeram.
Basta quererem.

No dia dos namorados,
Um brinde, com vinho maduro tinto
Ao marido, ao pai,
Aquele que nunca esquecem,
Entre lágrimas, sorrisos e risos
Numa ordem aleatória de repetição.

No dia dos namorados,
Ele estará sempre vivo
Enquanto a memória delas
O quiser!

E quem ousa garantir
Que Ele não estará
A festejar o seu aniversário
Com os Outros
E a fazer um brinde etéreo
a Elas?

domingo, 13 de novembro de 2011

Santa Bárbara

Noite cerrada
Saio
Rodopio ao sabor da ventania
As folhas já castanhas dos plátanos
Acompanham-me
Caducas
Desafiam-me
Em jogos
Pousam em mim
Obrigam-me a chuta-las
Entopem-me o caminho
Afundam-me
Os ramos das árvores
Ameaçam-me
Na queda
Empurrados ao sabor do vento
Como eu
Num espectáculo de luz e som
Ora seco
Ora inundado
Que a natureza me oferece
Digno de ovação em pé
Não param
Numa dança improvisada
"A seca é mais perigosa"
Dizia avó Rita
A chuva alaga-me
As ondas as agigantam-se
Espumam
A luz
De formas surpreendentes
Bizarra
Rasga o breu
De alto a baixo
De lado a lado
A liberdade é indescritível
Ensopada
Agradeço a Santa Bárbara
Quando troveja!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A minha nova mesa de Peter Marigold

                                                                                  Skinned Tables/Peter Marigold

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Um blog novo



...que vale a pena ir espreitar. Diferente, bem escrito, ideias arrumadas e controversas.

Ladrões de gado

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Hoje estou nesta onda



Uma inquietaçao em pleno Agosto

Confesso que a ideia de o arbitro Pedro Proença ter levado nas trombas não me desagrada. Serei eu uma delinquente? Se estivesse em Inglaterra seria como as matronas da minha idade que aproveitam os assaltos efectuados pelas crianças e adolescentes para levar tudo o que encontram, ou seja, aproveitam os saldos de 100%?
Se fosse na Oxford Street, ou nos bairros chiques como Chelsea...Prendam-me já, antes que eu cometa qualquer crime. Eu maníaca de marcas de roupa high fashion me confesso e também não tenho posses para elas.


quinta-feira, 21 de julho de 2011

domingo, 10 de julho de 2011

Portuguese translated sayings:

- You are here, you are eating
-You are good as corn
- put rope on your tennnis shoes and came and catch me
 - take the monkeys of your nose
-don't look at me with those eyes of boiled fish

guess what they mean and you wil winn a fabulous golden prize!

sábado, 9 de julho de 2011

We welcome the Republic of Souh Sudan

Congratulate its people and  President Kii. Juba is the capital of the 193º country of the United Nation. After two decades of civil war, hope is born.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Em honra de uma Grande MULHER: Maria Jose Nogueira Pinto, ontem falecida, texto escrito duas horas antes da morte anunciada

Nada me faltará

por MARIA JOSÉ NOGUEIRA PINTOHoje229 comentários
Acho que descobri a política - como amor da cidade e do seu bem - em casa. Nasci numa família com convicções políticas, com sentido do amor e do serviço de Deus e da Pátria. O meu Avô, Eduardo Pinto da Cunha, adolescente, foi combatente monárquico e depois emigrado, com a família, por causa disso. O meu Pai, Luís, era um patriota que adorava a África portuguesa e aí passava as férias a visitar os filiados do LAG. A minha Mãe, Maria José, lia-nos a mim e às minhas irmãs a Mensagem de Pessoa, quando eu tinha sete anos. A minha Tia e madrinha, a Tia Mimi, quando a guerra de África começou, ofereceu-se para acompanhar pelos sítios mais recônditos de Angola, em teco-tecos, os jornalistas estrangeiros. Aprendi, desde cedo, o dever de não ignorar o que via, ouvia e lia.
Aos dezassete anos, no primeiro ano da Faculdade, furei uma greve associativa. Fi-lo mais por rebeldia contra uma ordem imposta arbitrariamente (mesmo que alternativa) que por qualquer outra coisa. Foi por isso que conheci o Jaime e mudámos as nossas vidas, ficando sempre juntos. Fizemos desde então uma família, com os nossos filhos - o Eduardo, a Catarina, a Teresinha - e com os filhos deles. Há quase quarenta anos.
Procurei, procurámos, sempre viver de acordo com os princípios que tinham a ver com valores ditos tradicionais - Deus e a Pátria -, mas também com a justiça e com a solidariedade em que sempre acreditei e acredito. Tenho tentado deles dar testemunho na vida política e no serviço público. Sem transigências, sem abdicações, sem meter no bolso ideias e convicções.
Convicções que partem de uma fé profunda no amor de Cristo, que sempre nos diz - como repetiu João Paulo II - "não tenhais medo". Graças a Deus nunca tive medo. Nem das fugas, nem dos exílios, nem da perseguição, nem da incerteza. Nem da vida, nem na morte. Suportei as rodas baixas da fortuna, partilhei a humilhação da diáspora dos portugueses de África, conheci o exílio no Brasil e em Espanha. Aprendi a levar a pátria na sola dos sapatos.
Como no salmo, o Senhor foi sempre o meu pastor e por isso nada me faltou -mesmo quando faltava tudo.

Lixo toxico sera a Moody's e quejandas agencias de rating americanas, cujos socios sao tao isentos que vao ao mercado

Portugal, embora tendo falido sete vezes, sempre foi limpinho e sempre se soergueu. PQP as agências de rating americanas. Os EUA são lixo tóxico para a agência de rating chinesa.
Venha a agência de rating europeia! Que comecem as batalhas económica e jurídica abertas. Declare-se a ilegalidade, por pratica dominante e concertada, das agências de rating americanas,já  para não dizer que são parte interessada por interposta pessoa: the partners, of course! Cuspa-se nas opiniões das ditas.

A Angela Merkel ama todos os primeiros ministros portugueses. O Coelho  e mais genuinamente charmoso-transmontano do que o Pinto de Sousa, que ensaiava o perfil. Um telefonemazinho ao Banco Central Europeu e as agências de notação americanas que se cuidem. Nos  acabamos com elas e ainda passamos a heróis do Séc. XXI: os construtores da nova Europa! Esta na altura de as desacreditar e acabar com elas Olha-me esta! Porque e que a União Europeia e o Banco Central Europeu tem sido tao subservientes? Tivemos que ser nos a abrir-lhes os olhos. Portuguese are rating american agencies busters! Let's go folks! Ainda por cima lhes pagamos forte e feio?

PS: a falta de acentos deve-se a deficiente cultura do autor que não descobre como resolver o problema do teclado. 

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O que vale e que a Ministra da Justiça lê o meu blog,

Yes Mdm Minister Paulinha, varreu a Directora do CEJ, não havia outra solução. Já agora, mande-a para Gouveia, os moradores da muy nobre cidade que me perdoem! Mas a Juiza Geraldes certamente será competente a cumprir a penalidade.

terça-feira, 21 de junho de 2011

A acunpuntura é a solução

Uma nova penalidade no CEJ: teste anulado vale 10!

Eça de Queiroz, num dos livros de que mais gosto, "Uma Campanha Alegre", no seu estilo de ironia ate ao absurdo, questionava uma nova penalidade, aplicada por um juiz do seu tempo, que devia ter feito o curso na base do copianço. O juiz condenou um homem que matou a mulher e a cortou aos bocadinhos a varrer as ruas de Gouveia. Interrogava-se Eça, se as ruas de Gouveia eram de uma imundície tal que varre-las equivalia à pena de degredo, ou se  matar a mulher e corta-la em picadinho seria um acto tão meritório que devia dar direito a emprego remunerado pela Câmara.
Na linha deste juiz, os seus descendentes que ocupam a Direcção do CEJ entendem que, se for detectado o copianço incognito, os testes devem ser anulados, mas, para não estragar as férias a  ninguém, não havendo data, a solução é dar dez a toda a gente. Portanto, se alguém copiar num teste, a Direcção do Órgão que neste Pais forma os futuros magistrados entende ser justo anular o teste a todos, vai tudo a eito, mas não se faz novo teste por falta de data, a penalidade é todos terem 10! 
Este sentido de justiça é notável e em nome de um valor supremo: não haver data para novo teste e sua correcção antes das férias. Portanto, o gajo que copia, a partir de agora, deixa de estudar de todo, porque sabe que se o teste for anulado tem 10 e passa; o gajo que estuda e é um  nerd que até teve 18- porque 20 só os deuses e 19 esta reservado aos professores doutores - é premiado com um 10 sempre que incógnitos copiarem.
O que mais me e diverte nesta nova penalidade é a falta de senso dos formadores de magistrados no nosso pais, que pensam que nos enganam só porque mandam no CEJ. E o facto de a Direcção, apertada por todos os lados, ter mudado a posição, não invalida a tomada de posição inicial, anunciada como a mais justa pelo vice Dr. Elói, que contrabalançava a Justiça com as Férias, em favor das últimas. O que é legitimo num homem que trabalhou todo o ano. Justiça dos magistrados e Ferias deveria ser um novo tema em Introdução ao Direito. Já estamos fartos de Justiça e Segurança e de Justiça e Moral. Uma seca!
Portanto, a coisa começou bem na Direcção, que nem teve a decência de se demitir, e que devia ser corrida a pontapé, no mínimo.  A falta de carácter voltou a manifestar-se no emendar a mão à pressa e pressionada por todos os lados. Ou seja, quando não havia mais nada a fazer e não podiam ir de férias porque ninguém deixava. 
E estes tipos ficam impunes? Não, porque ser Director do CEJ sem o mais elementar sentido de Justiça merece emprego remunerado por esta Republica das Bananas, tal como ser almeida em Gouveia; ou então aquilo é uma imundice, e tudo leva a crer que sim, pelas cagadelas dos pombos visíveis a olho nu, pelo que trabalhar lá equivale a pena de degredo.
Quanto aos futuros magistrados, que vão acabar o curso em Setembro, acho muito bem que copiem, pois são remunerados por todos nós e ganham mais do que a maioria dos portugueses que não copiam. Têm toda a legitimidade para julgar criminosos, devedores e outros. Afinal, também sofreram as duras penalidades dos senhores directores, e ganham menos.
Mas nós, em tribunal, vamos também ter legitimidade para dizer: o Senhor Doutor Juiz, Vexa. não me engana, é do ano 2011, a geração do copianço, logo, alego impedimento. E o magistrado copião do  Ministério Publico vai acusar quem? Só os colegas que com ele forem desta colheita. E podemos sempre acrescentar que os advogados que se prezam não falam com magistrados copioes.
Este pais precisa deste apurado sentido de Justiça,  a Justiça trauliteira que atingiu o estado de graça do bobo da côrte.
Já agora, Sra Ministra Paulinha, pode varrer estes gajos das ruas da Justiça, forever? Não se esqueça de começar pela Direcção e Conselho pedagógico, porque o exemplo vem de cima e depois arrisca-se a ser varrida também. A expulsão dos futuros magistrados copioes e uma farsola.

P.S.: a falta de acentos não se deve ao acordo ortográfico, mas a um defeito do teclado. As gralhas devem-se ao adiantado da hora. Fick!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Poema matematico

Um Quociente apaixonou-se
Um dia
Doidamente
Por uma Incógnita.

Olhou-a com seu olhar inumerável
E viu-a, do Ápice à Base...
Uma Figura Ímpar;
Olhos rombóides, boca trapezóide,
Corpo ortogonal, seios esferóides.

Fez da sua
Uma vida
Paralela à dela.
Até que se encontraram
No Infinito.

"Quem és tu?" indagou ele
Com ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode chamar-me Hipotenusa."

E de falarem descobriram que eram
O que, em aritmética, corresponde
A alma irmãs
Primos-entre-si.

E assim se amaram
Ao quadrado da velocidade da luz.
Numa sexta potenciação
Traçando
Ao sabor do momento
E da paixão
Rectas, curvas, círculos e linhas sinusoidais.

Escandalizaram os ortodoxos
das fórmulas euclidianas
E os exegetas do Universo Finito.

Romperam convenções newtonianas
e pitagóricas.
E, enfim, resolveram casar-se.
Constituir um lar.
Mais que um lar.
Uma Perpendicular.

Convidaram para padrinhos
O Poliedro e a Bissectriz.
E fizeram planos, equações e
diagramas para o futuro
Sonhando com uma felicidade
Integral
E diferencial.

E casaram-se e tiveram
uma secante e três cones
Muito engraçadinhos.
E foram felizes
Até àquele dia
Em que tudo, afinal,
se torna monotonia.

Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum...
Frequentador de Círculos Concêntricos.
Viciosos.

Ofereceu-lhe, a ela,
Uma Grandeza Absoluta,
E reduziu-a a um Denominador Comum.

Ele, Quociente, percebeu
Que com ela não formava mais Um Todo.
Uma Unidade.
Era o Triângulo,
chamado amoroso.
E desse problema ela era a fracção
Mais ordinária.

Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade.
E tudo que era espúrio passou a ser
Moralidade
Como aliás, em qualquer
Sociedade.

O banqueiro bom

BANQUEIRO BOM É UM SER IMAGINÁRIO

Certa tarde, um famoso banqueiro ia para casa, em sua enorme limousine, quando viu dois homens à beira da estrada comendo relva. Ordenou ao seu motorista que parasse e, saindo, perguntou a um deles:
- Por que vocês estão comendo relva?
- Não temos dinheiro para comida.. - disse o pobre homem - Por isso

temos que comer relva.

- Bem, então venham à minha casa e eu lhes darei de comer - disse o banqueiro.

- Obrigado, mas tenho mulher e dois filhos comigo. Estão ali, debaixo

daquela árvore.

- Que venham também - disse novamente o banqueiro. E, voltando-se para

o outro homem, disse-lhe:

- Você também pode vir.

O homem, com uma voz muito sumida disse:

- Mas, senhor, eu também tenho esposa e seis filhos comigo!

- Pois que venham também. - respondeu o banqueiro.

E entraram todos no enorme e luxuoso carro.

Uma vez a caminho, um dos homens olhou timidamente o banqueiro e disse:

- O senhor é muito bom. Obrigado por nos levar a todos!

O banqueiro respondeu:

- Meu caro, não tenha vergonha, fico muito feliz por fazê-lo! Vocês

vão ficar encantados com a minha casa... A relva está com mais de 20

centímetros de altura!

Missa e Vodka

-
nervosismo de iniciante

Eu estava tão nervoso na minha primeira missa, que no sermão não conseguia falar. Antes da segunda missa, dirigi-me ao Bispo e perguntei-lhe como devia fazer para relaxar. Este, por sua vez, recomendou-me o seguinte: "Coloque umas gotinhas de vodka na água, vai ver que da próxima vez estará mais relaxado". No Domingo seguinte, apliquei a sugestão do meu Bispo, e estava tão relaxado, que podia falar alto até no meio de uma tempestade. Ao regressar a casa, encontro um bilhete do meu Bispo, que dizia o seguinte:

Caro Padre !
1º - Da próxima vez, coloque umas gotas de VODKA na água e não umas gotas de água na VODKA;
2º- Não há necessidade de por limão e sal na borda do cálice;
3º- O missal não é, nem deverá ser usado, como apoio para o copo;
4º- Aquela casinha ao lado do Altar é o confessionário e não o WC;
5º- Evite apoiar-se na imagem de Nossa Senhora, e muito menos abraçá-la e beijá-la;
6º- Os mandamentos são 10 e não 12;
7º- 12 são os apóstolos, e nenhum deles era anão;
8º- Não nos devemos referir o nosso Salvador e seus apóstolos como "JC & Companhia";
9º- Não deverá referir-se a Judas como "filho da p ... ";
10º- Não deverá tratar o Papa por "O Padrinho";
11º- Judas não enforcou Jesus, e Bin Laden não tem a ver com esta história;
12º- A água Benta é para benzer e não para refrescar a nuca;
13º- Nunca reze a missa sentado nas escadas do altar;
14º- Quando se ajoelhar, não utilize a Bíblia como apoio ao joelho;
15º- Utiliza-se o termo ámen e não "ó meu";
16º- As hóstias devem ser distribuídas pelos fiéis. Não devem ser usadas como aperitivo antes do vinho;
17º- Procure usar roupas debaixo da Batina, e evite abanar-se quando estiver com calor;
18º- Os pecadores vão para o inferno e não para "a puta que os pariu";
19º- A iniciativa de chamar os fiéis para dançar foi plausível, mas fazer um "comboio" pela igreja...
20º- Não deve sugerir que se escreva na porta da Igreja "HOSTIA BAR".
Post Scriptum: aquele que estava sentado no canto do Altar ao qual se referiu como "paneleiro travesti de saias" era eu!!...
Espero que estas suas falhas sejam corrigidas no próximo Domingo.
O Seu Bispo

Sexo e Reencarnaçao

REENCARNAÇÃO E CONTATO SEXUAL APÓS A MORTE...

Um casal fez um acordo que, se existisse reencarnação, o primeiro a morrer
informaria o outro como é que era.

O marido foi primeiro, contactou a mulher e contou-lhe:

"Meu Bem... levanto-me cedo e faço sexo.
Tomo o pequeno-almoço e vou para o campo de golfe.
Faço mais sexo, apanho sol e faço sexo mais algumas vezes.
Depois almoço, como muitos legumes e verduras, e mais sexo..
Depois do jantar, volto ao campo de golfe e faço mais sexo até anoitecer.
Depois, durmo muito bem para me recuperar e no dia seguinte recomeça tudo
igual outra vez."

A mulher pergunta: "Estás no Paraíso?"

" Não, reencarnei e agora sou um coelho numa fazendinha em Carangola..."

sábado, 4 de junho de 2011

Que desplante!

Sou cigano desempregado, vivo numa casa social espaçosa, com o rendimento mínimo e o Mercedes que comprei em 2010 a porta, graças a uns trocos obtidos na feira de Espinho. São quatro assoalhadas para mim e as garinas, mulher analfabeta, que apregoa na feira, e duas filhas, que a minha mulher não consegue alcançar um varão.
Pouca distracção tenho, agora que não sou nómada, Uma delas e convidar os companheiros de sangue e ver uns jogos de futebol em que entre o Quaresma e uns turcos.
No outro dia estava um calor do catano e pusemos o LCD 2 por 3 na ampla varanda, para apanhar a fresca, com umas cervejolas e uns tremoços a ver o Besiktas na final da Taça da Turquia.
Mas o tempo muda com facilidade nesta terra de vareiros e varinas e veio um pequeno tufão que atirou com o televisor borda fora pra cima do Mercedes.
Não e que o estupor do Presidente da Câmara se recusa a pagar-me os 5.000 aéreos que custou o LCD mais o arranjo do tejadilho do Mercedes, ultima geração, três volumes? Não sabe que o espera "a espera".

quarta-feira, 1 de junho de 2011

No dia criança, que hoje comemoramos numa rodinha de maos dadas com o MEP,

se não gostas do pai, podes comer só as batatas.

E. Coli O 104

Nada de pepinos e tomates, sobretudo de rama, e nem a alface escapa. Toca a comer muita carninha e morrer de gota. E melhor do que a outra morte. E nada de telemóveis, só sinais de fumo. Hug!

terça-feira, 31 de maio de 2011

Morreu de que?

Morreu de quê?

Zé: Bença padre.
Padre: Deus o abençoe meu filho.
Zé: Padre, o sr. lembra do João pintor?
Padre: É claro meu filho.
Zé: Pois é Padre, o João veio a falecer.
Padre: Que pena, morreu de quê?
Zé: Olha, Padre. Eu moro numa rua sem saída e minha casa é a última.
Ele desceu com o carro e bateu no muro lá de casa.
Padre: Coitado, morreu de acidente.
Zé: Não, ele bateu com o carro no muro e voou pela janela. Caiu dentro
do meu quarto e bateu a cabeça no meu guarda-roupa de madeira.
Padre: Que pena, morreu de traumatismo craniano.
Zé: Não Padre, ele tentou se levantar pegando na maçaneta da porta que
se soltou e ele rolou escada abaixo.
Padre: Coitado, morreu de fraturas múltiplas.
Zé: Não Padre, depois de rolar a escada ele bateu na geladeira, que
caiu em cima dele.
Padre: Que tragédia, morreu esmagado.
Zé: Não, ele tentou se levantar e bateu as costas no fogão que tombou
derramando a sopa que estava fervendo em cima dele.
Padre: Coitado, morreu queimado.
Zé: Não Padre, no desespero saiu correndo, tropeçou no cachorro e foi
direto na caixa de força.
Padre: Que pena, morreu eletrocutado.
Zé: Não Padre, morreu depois d'eu dar dois tiros nele.
Padre: Filho, você matou o João?
Zé: Uai, o filho da puta tava destruindo a minha casa!!

A lei de Muphy aplicada `as 48 horas de Serralves

No Domingo, foi adiando a ida. A praia estava magnifica.
Vou mais ao fim da tarde. E quem faz o jantar? Ok, vou ao inicio da noite, ao grande final. Mas comem todos mais cedo. Esta bem. Fez arroz de camarão, sopa de tomate, sobremesa de frutos vermelhos com chocolate. Esmerou-se. Mas ninguém vinha para mesa. Ou por inercia, ou por estarem num raid on line, ou por estarem a estudar. Passou meia hora impaciente a chamar para a mesa.
Concluída a tarefa, pôs-se a caminho. Ate arranjou estacionamento. Ia a sair do carro e começaram a cair umas pingas que depressa se transformaram numa tromba de agua que durou horas. Ainda esperou e desesperou meia hora dentro do carro.
Mas a Lei de Murphy e mais forte. Meia volta e casa. Acabou a ver a merda dos globos de ouro, sozinha, com os outros nos seus bunkers.

P.S.: a falta de alguns acentos deve-se a um problema no teclado, não ao acordo ortográfico.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

quarta-feira, 25 de maio de 2011

A melhor frase da semana

"Antes morrer empalado do que ser obrigado a comprar um Tata".
Adivinhe quem disse.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

A Insustentável Leveza do Ser

"Tinha uma vontade brutal de fazer qualquer coisa que a impedisse de voltar atrás. Tinha vontade de anular brutalmente os últimos sete anos da sua vida. Eram as vertigens. Um enebriante, um incontrolável desejo de cair.
Poderia talvez dizer que ter vertigens é embriagarmo-nos com a nossa própria fraqueza, queremos abandonar-nos a ela. Embriagamo-nos com a nossa própria fraqueza, queremos ficar ainda mais fracos, cair por terra em plena rua à frente de toda a gente, ficar por terra, ainda mais abaixo que a terra."

In: A Insustentável Leveza do Ser - Pag. 89, Milan Kundera

domingo, 8 de maio de 2011

É dos carecas que elas gostam mais

Nunca a frase foi tão assumida por eles, os carecas. Saíram do armário, orgulhosos e em massa.
Antigamente, faziam penteados um tanto ridículos, como colocar a risca do lado, quase ao nível da orelha, e colar todo o cabelo que lhes restava para o lado oposto, com uma laca forte, de modo a disfarçar a falta de pilosidade. Outros tentavam o retorno do cabelo, que ora crescia, ora não, consoante a fortuna, ou seja, o recurso a loções mais ou menos ranhosas, ou a cirurgia estética de ponta. Havia os ridículos, que usavam capachinho, motivo de riso, quando este voava ou se agarravam a ele desesperadamente em caso de ventania.
Hoje, careca que se preze exibe a sua nudez capilar, às vezes despudoradamente, tal é o orgulho.
Não se limitam a lavar a cabeça, como lavam a cara, mas enceram a careca, com três opções: mate, semibrilho e brilho total. Ontem até fiquei ofuscada pelo brilho com que o meu advogado encerou a sua careca. Até tive que pôr óculos escuros, para não cegar. Ainda tenho a retina afectada.
A generalização desta prática pode tornar-se um perigo para a vista dos mais incautos. Há que tomar medidas urgentes, como com os fumadores. Proibir a careca encerada com brilho total por Lei ou Decreto-Lei parece ser a única solução para proteger as vistinhas dos outros.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Bye Bye Bin Laden,

embora a sua morte me seja indiferente, reconheço-lhe um importante significado simbólico. Mas é apenas isso, simbólica, porque vem com o atraso de uma década e, sendo uma morte levada a cabo devido a  um ataque  por indicação do Presidente dos EUA, pode ter consequências imprevisíveis nos grupos mais extremistas, por isso, não deitem já os foguetes antes da festa, nem mesmo comecem a festa...

Como diz o sábio Governo Sombra,

toda a política portuguesa relevante se faz através do Facebook, com Likes à frente (sendo impossível colocar Unlike).
Por isso, sob proposta do meu staff, impõe-se o Ministério do Facebook. Eu serei a Ministra. Quem quiser candidatar-se a Secretário(a) de Estado, ou Acessor(a), que se apresente. 
Numa remodelação a curto prazo, a Ministra do Facebook passará a ser Primeira-Ministra, sempre governando a partir do Facebook. Afinal, o nosso Presidente da República iniciou já uma tradição a nível da página da Presidência ausente-presente, e Pinto de Sousa, a governar no mundo físico, só fez borrada durante seis anos. Pior não fica, como diz o deputado Tiririca.
Aqui, o meu Governo Sombra.

domingo, 1 de maio de 2011

As medidas de governo impostas pela Troika, em primeira-mão, apresentadas por Futre

Marinho Pinto no seu melhor: Ioda-se! Uma análise do Governo Sombra (TSF)


Um cretino é um cretino

2011-04-24

Comecemos por onde estas coisas devem começar: o escriba que diariamente bolça sentenças nesta página e que dá pelo nome de Manuel António Pina é um refinado cretino. Posto isto, assim, que é a forma honesta de pôr este tipo de coisas, nada mais haveria a dizer. Citando um treinador de futebol dado a elucubrações epistemológicas, «um vintém é um vintém e um cretino é um cretino». E... Pronto! Estaria tudo dito. Além disso, só se MAP não fosse tão cretino é que valeria a pena mostrar-lhe por que é que ele é tão cretino.
Não costumo responder a cretinos. Mas, correndo o risco de este, como todos os outros, se tornar ainda mais agressivo, vou abrir uma excepção e descer ao seu terreno para lhe responder com as mesmas armas que ele tem usado contra mim, até porque este é um cretino especial, do tipo intelectual de esquerda.
MAP anda, desde 2005, a desferir-me ataques pessoais. O homem tem uma fixação doentia em mim. Incomodam-no muito as minhas posições públicas e sobretudo as denúncias que tenho feito sobre o nosso sistema judicial. Ele nunca se referiu com seriedade ao que eu digo. Prefere atacar-me como pessoa, imputando-me sempre os motivos mais mesquinhos ou os propósitos mais infames.
MAP tem a postura de um medíocre bem pensante, para quem é sempre mais cómodo atacar pessoas em vez de criticar ideias. As pessoas arrumam-se de uma penada, atingindo-as, à falsa fé, com dois ou três adjectivos. Isso dá a essa espécie de cretinos uma ilusória sensação de importância. Os medíocres só se sentem fortes quando humilham os que julgam mais fracos. Discutir ideias ou comentá-las com seriedade é sempre mais difícil porque exige qualidades que não abundam em MAP. Este é um megalómano em permanente ajuste de contas com a sua própria mediocridade intelectual.
Mas, ele é também intelectualmente desonesto, pois interpreta os factos sobre que escreve de modo que as pessoas concluam algo diferente do que eles realmente significam. A título de exemplo: ele já tentou convencer os leitores do JN de que a culpa pelas horas que as pessoas perdem inutilmente nos tribunais portugueses é dos advogados e não dos juízes.
Aliás, MAP nunca teve uma palavra sobre a actuação dos magistrados, a não ser para os elogiar ou então para execrar quem os critica. Ele deve ter algum sentimento compulsivo de gratidão para com eles ou alguma amizade reverencial (este tipo de pessoas age muito por amiguismos), pois adopta sempre uma postura canina em relação à justiça. A agressividade de mastim com que ataca os que criticam o funcionamento dos tribunais é apenas o corolário da sua obsequiosidade de caniche em relação às magistraturas.
MAP julga-se um ser superior. Com a displicência dos tudólogos diplomados ele fala de tudo e de todos, do que sabe e do que não sabe. As suas crónicas no JN, sempre naquele estilo alambicado típico dos ociosos, são a expressão aparolada de um imenso complexo de superioridade. Ele tem de julgar e condenar sumariamente alguém, pois senão sente-se diminuído perante si próprio e, sobretudo, perante o círculo de aduladores que lhe entumecem o ego.
Mas, se repararmos bem, lá nos secretos mais profundos do seu ser esconde-se um homem cruelmente dilacerado por indizíveis frustrações. É possível que na adolescência o tenham convencido de que seria um grande escritor, destino para o qual logo desenvolveu os tiques e poses apropriados. Mas, afinal, nunca passou de uma figura menor típica do universo queirosiano - um personagem que mistura o diletantismo de um João da Ega com os dotes literários de um Alencar d'Alenquer e o rancor mesquinho de um Dâmaso Salcede. Tudo isso, transposto para o jornalismo, resultou numa espécie de Palma Cavalão dos tempos actuais. Enfim, um homem que chegou a velho sem ter sido adulto e a quem os mais próximos, por rotina, caridade ou estupidez, provavelmente ainda tratam como uma grande esperança.
Esse género de frustrações conduz, no limite, ao desespero existencial. Em alguns casos, estes frustrados cometem actos tenebrosos. Porém, em MAP, as suas frustrações e complexos transformaram-no, num sniper que, emboscado nos telhados da sua senilidade rancorosa, dispara cobardemente contra tudo o que mexe, de preferência contra o carácter das vítimas que escolhe ao acaso.
Senhor Manuel António Pina, não se atormente mais. O seu mal cura-se com uma dose apropriada de iodo. Trate-se! Vá para uma boa praia e... Ioda-se!
NOTA: Na próxima crónica apresentarei as razões por que não irei votar em 5 de Junho. Isto se mais nenhum cretino se atravessar no meu caminho.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A melhor frase do ano:

"O que é que eu tenho que fazer para abafar o Sócrates?" (Futre, in Mais Futebol)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Acabo de ouvir a piada do dia

Alguns juristas estão a tentar explicar aos senhores da Troika do FMI como é que funciona a insolvência em Portugal. Deve ser hilariante, dado que nenhum jurista entende o CIRE, nem mesmo os seus autores!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

DRM abusivos: I-Phone

Security researchers have discovered that Apple's iPhone keeps track of where you go – and saves every detail of it to a secret file on the device which is then copied to the owner's computer when the two are synchronised.
The file contains the latitude and longitude of the phone's recorded coordinates along with a timestamp, meaning that anyone who stole the phone or the computer could discover details about the owner's movements using a simple program.
For some phones, there could be almost a year's worth of data stored, as the recording of data seems to have started with Apple's iOS 4 update to the phone's operating system, released in June 2010.
"Apple has made it possible for almost anybody – a jealous spouse, a private detective – with access to your phone or computer to get detailed information about where you've been," said Pete Warden, one of the researchers.
Only the iPhone records the user's location in this way, say Warden and Alasdair Allan, the data scientists who discovered the file and are presenting their findings at the Where 2.0 conference in San Francisco on Wednesday. "Alasdair has looked for similar tracking code in [Google's] Android phones and couldn't find any," said Warden. "We haven't come across any instances of other phone manufacturers doing this."
Simon Davies, director of the pressure group Privacy International, said: "This is a worrying discovery. Location is one of the most sensitive elements in anyone's life – just think where people go in the evening. The existence of that data creates a real threat to privacy. The absence of notice to users or any control option can only stem from an ignorance about privacy at the design stage."
Warden and Allan point out that the file is moved onto new devices when an old one is replaced: "Apple might have new features in mind that require a history of your location, but that's our specualtion. The fact that [the file] is transferred across [to a new iPhone or iPad] when you migrate is evidence that the data-gathering isn't accidental." But they said it does not seem to be transmitted to Apple itself.
iphone-data-map Map shows location data collected from an iPhone that had been used in the southwest of England Although mobile networks already record phones' locations, it is only available to the police and other recognised organisations following a court order under the Regulation of Investigatory Power Act. Standard phones do not record location data.
MPs in 2009 criticised the search engine giant Google for its "Latitude" system, which allowed people to enable their mobile to give out details of their location to trusted contacts. At the time MPs said that Latitude "could substantially endanger user privacy", but Google pointed out that users had to specifically choose to make their data available.
The iPhone system, by contrast, appears to record the data whether or not the user agrees. Apple declined to comment on why the file is created or whether it can be disabled.
Warden and Allan have set up a web page which answers questions about the file, and created a simple downloadable application to let Apple users check for themselves what location data the phone is retaining. The Guardian has confirmed that 3G-enabled devices including the iPad also retain the data and copy it to the owner's computer.
If someone were to steal an iPhone and "jailbreak" it, giving them direct access to the files it contains, they could extract the location database directly. Alternatively, anyone with direct access to a user's computer could run the application and see a visualisation of their movements. Encrypting data on the computer is one way to protect against it, though that still leaves the file on the phone.
Graham Cluley, senior technology consultant at the security company Sophos, said: "If the data isn't required for anything, then it shouldn't store the location. And it doesn't need to keep an archive on your machine of where you've been." He suggested that Apple might be hoping that it would yield data for future mobile advertising targeted by location, although he added: "I tend to subscribe to cockup rather than conspiracy on things like this – I don't think Apple is really trying to monitor where users are."
iphone data The data inside the file containing the location and time information. This is used to plot the map above The location file came to light when Warden and Allan were looking for a source of mobile data. "We'd been discussing doing a visualisation of mobile data, and while Alasdair was researching into what was available, he discovered this file. At first we weren't sure how much data was there, but after we dug further and visualised the extracted data, it became clear that there was a scary amount of detail on our movements," Warden said.
They have blogged about their discovery at O'Reilly's Radar site, noting that "why this data is stored and how Apple intends to use it — or not — are important questions that need to be explored."
The pair of data scientists have collaborated on a number of data visualisations, including a map of radiation levels in Japan for The Guardian. They are developing a Data Science Toolkit for dealing with location data.
Davies said that the discovery of the file indicated that Apple had failed to take users' privacy seriously.
Apple can legitimately claim that it has permission to collect the data: near the end of the 15,200-word terms and conditions for its iTunes program, used to synchronise with iPhones, iPods and iPads, is an 86-word paragraph about "location-based services".
It says that "Apple and our partners and licensees may collect, use, and share precise location data, including the real-time geographic location of your Apple computer or device. This location data is collected anonymously in a form that does not personally identify you and is used by Apple and our partners and licensees to provide and improve location-based products and services. For example, we may share geographic location with application providers when you opt in to their location services."

Privacy invasions via technology

Redes peer to peer, com quem concorda?

O Tribunal da Relação de Lisboa revogou a decisão do tribunal de instrução e decidiu que o autor do site português de partilha BTuga deverá ser julgado por crime de usurpação de direitos de autor.


O BTuga era um site que permitia aos utilizadores encontrar os chamados torrents, ou seja, pequenos ficheiros que servem para que os cibernautas partilhem ficheiros entre os computadores uns dos outros, através de uma rede "peer-to-peer" (que se pode traduzir por ponto-a-ponto). Esta designação decorre do facto de os ficheiros partilhados não estarem armazenados num servidor central, mas antes no computador de cada pessoa que usa a rede.

O BTuga foi encerrado em 2007 pela Polícia Judiciária e o seu criador, Luís Ferreira (conhecido na Internet como Martini-man) foi constituído arguido.

No acórdão do tribunal da relação, proferido a 14 deste mês, lê-se que “o arguido utilizou a rede P2P e o protocolo BitTorrent com o único e exclusivo propósito de através do mesmo efectuar ou deixar que fossem efectuadas trocas/partilhas de conteúdos/ficheiros protegidos pelos direitos de autor”.

Ainda segundo a decisão, Luís Ferreira “transmitiu aos utilizadores do mesmo (entre os quais ele próprio se encontrava) que pretendia através de tal serviço que os mesmos trocassem/partilhassem/divulgassem/utilizassem os filmes, as músicas, os jogos, os vídeos dos autores mais recentes de [que] fossem possuidores, de forma a que tal troca beneficiasse todos os utilizadores da rede porque não custaria monetariamente nada a nenhum deles, nomeadamente a nível de pagamento de direitos de autor”.

Os argumentos são usados para concluir que “ao contrário do que conclui a decisão ora colocada em crise [do tribunal de instrução, de Julho de 2010], o arguido fez uso de meios lícitos para realizar um fim completamente ilícito permitindo a troca/utilização/divulgação das mais variadas obras videográficas, fonográficas e outras sujeitas ao regime dos direitos de autor.”

O documento nota ainda que os utilizadores do BTuga “cometem o crime de usurpação de direitos de autor”, dado serem “utilizadores e exploradores de obras protegidas”.

O serviço era popular entre os cibernautas portugueses, porque o tráfego das transferências de ficheiros era contabilizado como tráfego nacional, que normalmente tem menos limites impostos pelos fornecedores de acesso. Luís Ferreira chegou mesmo a registar o BTuga como marca e a disponibilizar serviços pelos quais cobrava.
Fonte: PÚBLICO

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Pensamento do dia

Mais vale uma ovelha na mão do que duas a voar

quarta-feira, 13 de abril de 2011

A Idade dos Terrores Nocturnos, por Saphou Allan Poe

O inicio da queima inquisitorial começava com um cortejo de antigos alunos na rua da Junta de Freguesia, mesmo colada ao cemitério. Ela hesitara em ir ver, porque não lhe despertava particular interesse. Tinha vivido intensamente 10 anos de queima das bruxas e feiticeiros e já  estava farta.
Lembrava-se que começava com o desenterrar dos mortos sem extrema unção e a preparação dos caixões.
Num impulso, no entanto, decidiu ir. Apressou-se. O cortejo já estava a começar.
Chegou e obteve um lugar privilegiado mesmo na rua em frente, que contornava o cemitério.
Os caixões já tinham começado a desfilar: uns castanho-escuro, outros creme, outros brancos, apenas um  dourado e um vaso de um cremado. Ela achou estranho não estar mais ninguém a assistir. Voltou para casa no final. Muito poucos este ano. Uma pobreza. A Academia já não sabia fazer as coisas. Parece que os mantinha todos vivos.
A dada altura, começou a ouvir barulhos estranhos do lado de fora da porta do seu quarto, a meio da noite. Pareciam ser de madeira a raspar nas paredes.
Pediu ao companheiro para ver o que se passava, com o coração a saltar-lhe pela boca. Cada vez roçavam mais na porta e temia pelos que dormiam em outros pontos da casa.
-Podes ver o que se passa?
Ele acordou ensonado. Indiferente, abriu a porta e espreitou.
Ousou espreitar com ele: no corredor estreito, desfilavam caixões uns atrás dos outros, a flutuar, e vinha um homem com eles.
Ela fugiu para debaixo dos lençóis.Mas ele disse indiferente:
-´E apenas o vizinho que morreu há dez anos e foi encontrado no  mês passado, a avisar que deixamos a porta do prédio por trancar, contra as regras do condomínio e não podemos esquecer a onda de assaltos que se tem verificado na rua desde que começou o congresso do PS, aqui mesmo ao lado.
Acordou, ainda era noite. Estava toda a suar. Petrificada. E se o Teixeirinha estivesse mesmo ali na porta do seu quarto a diminuir-lhe mais 5% no salário em atraso.., orçamentado com as vestes do FMI, em parceria público-privada com paramentos da Santa Igreja Romana Apostólica?

Venda de casa em execuçao fiscal

com uma idosa morta há anos na cozinha, descoberta pela compradora, não fora a gravidade da falta de valores e incompetência envolvidas, seria uma anedota negra, do tipo:

-não gosto do pai

-come só as batatas

terça-feira, 12 de abril de 2011

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Hoje perdi um amigo que tinha há 31 anos, pelo menos

É difícil tristeza e desilusão maior. A amargura é indizível. Estou de luto.

domingo, 10 de abril de 2011

sexta-feira, 8 de abril de 2011

terça-feira, 5 de abril de 2011

Pensamento do dia

A merda vem sempre ao de cima, em especial em dias de festa

sábado, 2 de abril de 2011

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Últimas

"O cão do vizinho teve uma ninhada de gatos". Descubra as diversas interpretações da frase. Vinha no teste nacional de português do 9º ano.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Souto Moura, Pritzker Achitecture Laureate 2011

Apesar do frio que rapo no Estádio, obrigada Senhor Arquitecto Souto Moura! O meu pai adorava conversar consigo todas as semanas no combóio, sobretudo de comida e restaurantes. E como Vexa dizia:
-O melhor sítio para viver é a Praça de Liége. Nada como voltar a Portugal, ao Porto, à Foz.

Era de manhã cedo

a as árvores do antigo sanatório, agora hospital, começavam a florir os seus lilazes roxos. Ela estava nervosa, no bar, onde tinha combinado encontrar-se com o primo, Master da Urologia, que a levaria ao Master da Cardiologia. Ele chegou com passo apressado e ,simpaticamente, perguntou-lhe se estava pronta. Ela sorriu, que sim, que estava...
Começaram a caminhar para o pavilhão central, a comentar coisas de família e a beleza daquela natureza, contrastante como o horror do edifício tipo Vila D'Este, quando  um  assistente de cabelo dourado de oito céus, apareceu. A luz dele ofuscou-a.
Tinha uma mensagem para o primo dela.  
-O ecógrafo esta a morrer, não dá nada. Já fiz as biopsias todas, mas não dá para as ecografias
O primo riu-se. E explicou-lhe, indiferente à combustão:
- Agora vai ser uma burocracia....:comunicação à administração, perguntar ao técnico se vale a pena reparar (veio-lhe à memória a costa portuguesa e os seus radares, vigiada por 50 binóculos), se valer, vai para reparação, caso não, abre-se concurso para compra de um...daqui por um ano e meio temos ecógrafo.
-Este país é assim em tudo..., disse ela, com os calores.
-Mas sabes, tenho uma alternativa, recuso todas as ecografias de hoje em diante. Em três dias temos ecógrafo do mais moderno que houver. O hospital tem que mostrar serviço.
Foi uma risada.
O primo falou ao assistente com o cabelo dourado de esplendor dos oito céus de um doente, que não ia poder operar, porque não ia estar, mas que era urgente
Ele respondeu, com determinação e eficácia:
-Não faz mal, opero mais esse, amanhã tenho agenda. Ela ainda embasbacou mais. Ainda por cima era eficaz e competente. Tem tudo, pensou.
-E não pode operar o ecógrafo? disse-lhe, para meter conversa.
-Esse, infelizmente, já não tem hipótese comigo, sorriu-lhe.  Tudo foi banhado em luz, mas foi por segundos, porque ele disse até logo, e lá foi, determinado, pelos lilazes fora...algaliar mais uns tipos.
Ela e o primo continuaram a conversa sobre o pai Portas, operado ali em circunstâncias muito surreais, o Sampaio, que tinha mictado, como acto prioritário, numa daquelas casas de banho miseráveis da Urologia, vindo de uma visita de Estado à Régua, o aldrabão do Sócrates, que tinha prometido o novo hospital há séculos.
Enfim, chegados à Cardiologia, ele passou-a ao Master, que era um simpático, eficaz e feioso  velhote (continua quando ela tiver problemas na  próstata, de qualquer modo, já foi dizendo ao  primo que tem litíase renal).


terça-feira, 29 de março de 2011

A pivôt da Sic notícias acaba de informar

que a família real inlgesa "tem uma larga tradição como patrona da vela adaptada por trás". E quem apoia, no Reino Unido, a vela adaptada pela frente? Seria caso para a senhora esclarecer.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Umas botas DSQUARED2 para a Blimunda, que não para de pedir desde que viu as da Mac


Não sei se as tuas varizes vão aguentar. Eu avisei.

DSQUARED2

Pensamento do dia

Por muito que regues a meloa, não se tornará melão, tal como o SCP nunca será leão.

domingo, 27 de março de 2011

Pupilos do Kuduro a Presidentes do SCP! Uma nova candidatura.

Nas próximas eleições do Sporting, mais próximas do que as legislativas, apelo ao voto nos Pupilos do Kuduro. Se isto acaba, vai ser um grande vazio dentro dentro de nós, esta expectativa hilariante de que às 5 a.m. ganha um, mas às 6 a.m. ganha outro. Nem o Pinto de Sousa nos proporciona tanto circo. Nem as eleições legislativas demoram tanto (afinal, foram cerca de14.000 votantes) . Estaríamos tramados se todos os sócios do SCP votassem. Um mês a contar votos.Ultrapassávamos o record do Guinness detido pelos regimes corruptos da mãe África ou pai Ásia, ou tia América do Sul  A polémica de ontem mostrou que os tipos verdes do campeonato da segunda circular têm ku, mas falta-lhes o cérebro. Mas os Pupilos do Kuduro têm tudo, até mioleira. As eleições do Sporting são um caso de polícia muito interessante. A banca está a roer o que resta da carne do Leão. Por mim, estou deliciada com o espectáculo decadente. Podem comer o Leão todo. Não era pedido, sequer, bilhete de identidade aos sócios, parece que muitos votaram duas vezes, ou as vezes que foram necessárias, e os mortos também lá foram. A linha conservadora de continuidade é tramada. Ainda mexe. Resta saber até quando. Por mim, podem continuar ad eternum.
Aos membros verdes do campeonato da segunda circular aplica-se an english old saying, com as devidas adaptações.

- If it doesn't work it's Physics
-If it smells it's Chemistry
-If it wriggles it's Biology
If it does all three, it's a member o SCP.

What a poem!

Mac, renovada por DePinho e calçada por Acrobats of God (Primavera)


Tudo graças a DePinho! Rejuvenesceu mais do que os ratinhos do Lab,
Calçada por Acrobats of God (tenho muitos pares).
Posso renovar outras, se pedincharem tanto quanto a Mac, irra....

Na hora do Planeta,

entre petiscos e uma boa conversa, aproveitei a escuridão para furtar as jóias de família dos vizinhos, perante a indiferença dos reactores nucleares japoneses. Também lhes poderia ter dado  com umas calhausadas, mas isso está muito vulgarizado entre os tipos da segunda circular e não me tornaria endinheirada. A massa já foi lavada. Quando a luz voltou, os meus vizinhos ofereceram-me bolo e champanhe. Uns queridos. Só abrem o cofre de dez em dez anos e para mostrar a pessoas muito especiais.

sábado, 19 de março de 2011

Funes e a matemática. Uma explicação coerente

-A minha professora de matemática é espectacular.Explica a matéria toda em pormenor, faz exercícios e ainda sobra tempo. Nada que se assemelhe à do primeiro semestre e à maioria dos professores, que dão por adquirido que já sabemos tudo ou dizem que aquele passo vai ser dado mais à frente.
Chega a tratar-nos como se fossemos atrasados mentais, vai mesmo às coisas mais básicas.
-É normal, tem um atrasado mental em casa, a quem tem que explicar até como se toma um comprimido, ou como não calçar uma meia verde e outra castanha, ambas do avesso.
-Quem?
-O marido. O auto-intitulado único génio da sua geração.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Saphou, porquinho mealheiro

Ontem, arrasada com o sono, despiu-se sem saber bem o que fazia e atirou-se para a cama, deviam ser quatro da manhã. Ouviu o tilintar de não sei quantas moedas a cairem do bolso as velhas calças pretas. Viu-as espalhadas pelo chão e adormeceu.
Hoje, quando ia para o duche, ao tirar as cuecas, caiu-lhe uma moeda que se alojara atrás, mesmo ao centro.
Não te trates, não! Ou melhor, também podias ser o "porco-bola", agora que há que procurar novas oportunidades de emprego. É uma capacidade muito apreciada esta de fazer saír moedas de um euro onde a parte posterior das coxas se une. Olhem o sucesso da galinha dos ovos de ouro!

Pensamentos do dia

Por muito que regues a bananeira, nunca dará cocos
e
filho de lagartixa, nunca será jacaré.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Pickup Ford e Americanos v. Ingleses (Top Gear)

Sou uma rapariga de modos modestos

Já jogava golfe aos 16 anos, por ser um desporto para pobres, podia sempre cheirar a relva e caminhar quilómetros, por uña calderilha. No auge do entusiasmo do ténis, quando em Portugal havia quatro campos de golfe, no máximo, era acusada de gostar de um jogo para jarretas pobres, quando a juventude betinha dava raquetadas na bola amarela e a menos betinha a invejava.
O tempo da vacas magras veio a dar-me razão, só que agora é usual ver um bovídeo (que passou a ser sagrado entre nós) a pastar ao lado e moda dizer que é para todas as todas as idades.
Querem o IVA a 6% ? Misturem-se na natureza com os bovinos e as aves. Não ostentem a ir para a hidroginástica!.
Há sempre a vantagem de apanhar umas bolas brancas no meio do verde interminável, ter o entusiasmo de apanhar ovos de Páscoa e depois levá-los para o Estádio, com um bilhete oferecido por um amigo, claro, que aqui não sobram trocos para futilidades, embora também o IVA esteja barato para quem vê espectáculos desportivos. Praticar desporto, excepto o  golfe, é que não. Só o golfe faz bem à saúde.
Também posso sempre vender as bolas sobrantes, com IVA ou sem. Tudo no golfe é reciclável e amigo do ambiente, em especial dos adeptos da outra equipa.
Sim, que eu sou da geração à rasca, já me diminuíram o ordenado, e se abro muito a boca arrisco o despedimento. É ilegal? É inconstitucional? O que é que isso interessa para quem não tem o poder negocial.
Acima o Homens da Luta, que vençam o festival da Eurovisão (Isto da Europa é um treta. Israel faz parte da Europa para efeitos de festival e futebol, sob pena de implodir...tudo é relativo).

quinta-feira, 3 de março de 2011

Shrinks

After twelve years of therapy my psychiatrist said something that brought tears to my eyes. 
He said, "No hablo ingles."

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Pensamento do dia

Por mais que se regue uma pereira, nunca dará maçãs.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Hoje acordei com uma questão que me incomoda

Porque é que na Casa de Serralves, no almoço buffet do terraço, só os administradores e amigos têm direito a mesa com toalha branca e guardanapos de pano à bela maneira antiga e guarda-sol a condizer, não vão as moleirinhas aquecer demais.
O comum dos mortais, que ainda por cima paga, senta-se numa mesa que pode ou não abanar, consoante a sorte, e tem apenas direito a um individual rasca, mais um guardanapo de papel que, com sorte, não voa. Quanto ao guarda-sol, só se não estiverem todos ocupados, e como são um bem muito escasso, em regra estão. Na Casa de Serralves estão-se nas tintas para a moleirinha do comum dos mortais. 
Quanto ao almoço em si, recomenda-se.
Isto é um acto discriminatório de ostentação próprio de um país subdesenvolvido em bicos de pés. Se queriam dar aos administradores um tratamento de favor, deviam fazê-lo disfarçadamente, como é próprio de uma democracia civilizada.
Onde eu trabalho, almoço na cantina, se quiser comer, ou de pé num dos bares, respeitando a fila interminável, e se for ao restaurante, não há tratamentos de favor. É certo que não sou administradora, mas os administradores misturam-se connosco, aquilo a que os não parolos chamam mingle.
Acho que vou apedrejar os administradores da Casa de Serralves. O problema é que o Funes é amigo de um deles...Mas o apedrejamento esta muy de moda e eles estão a pedi-las. Apedrejá-los ou não, eis a questão. Como é que posso continuar a viver com este dilema?

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Agora é que o Expresso vai vender...

O Expresso 2000 começa com o Wikileaks Portugal. Foram investigados 722 telegramas. Uma notícia por semana. No Expresso não haverá crise, apenas uma corrida às bancas. Medida inteligente, nem que a notícia seja a de que Sócrates Pinto de Sousa não lava as mãos depois de ir à casa de banho. Marketing no seu melhor.
É melhor levantar-se de madrugada, reservar já no quiosque do Senhor Zé Silva, ou assinar o Expresso on line, se não for info-excluído e for preguiçoso. Em qualquer caso, é cusco. Se aguentar a cusquice,  poderá sempre esperar pelo disse que disse dos noticiários, ir ao blog do Funes, ao facebook, ao twitter, ou fazer um downlad pirata.
Este post está uma merda, mas é serviço público.
Eu sou a favor do download pirata. Dava-me jeito ir uns meses para a cadeia (até 3 anos), com tudo pago e nada para fazer. Naturalmente, teria uma cela só para mim,  fully equiped e escreveria um best seller. A cadeia seria soft, tipo Santa Cruz do Bispo, e até teria o meu terreno para cultivar, bem de que não disponho.
Os outros crimes não me atraem. Por algum motivo sobrevivi até à era da sociedade da informação, em que, curiosamente, anda tudo à pedrada, como no tempo dos Flingstones, e há países civilizados que extraditam  o Wikileaker para a Suécia.

Agora que o Outono vai começar

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Muammar Abu Minyar al-Kahdafi: once terrorist, always terrorist, let's hope he leaves without a bath of fire and blood. Insane with power in a non organized country.نحن نقف الى جانب شعب ليبيا

Terrorist and insane, compares himself to the Queen of England and blames Al Quaeda for what is happening.  Let's hope the bloodshed doesn't increase dramaticaly. Let's hope he doesn't act like the roman emperor Nero. The regime must fall. Now its Libya's people time. But in Libya the desert also extends to the opposition, non organized, pulverized, distant... Let's hope a new Somalia doesn't emerge...Libya has no organized State. Desert and several tribes, distant from one another. From emptiness of power there is a strong possibility to emerge chaos.
نحن نقف الى جانب شعب ليبيا

Vladislav Erko - Владислав Ерко

Hoje sinto-me assim: efeito da beta-endorfina?
Vladislav Erko - Владислав Epko

Insónias

Ela estava com insónias e resolveu sair para apanhar ar. A noite estava convidativa, calma e fresca. O marido ressonava na cama ao lado. Saiu e foi até um bar na praia. 
O bar estava atulhado dos miúdos da geração ni ni, não havia, sequer, lugar  para se sentar. Esperou um pouco e aproximou-se do mar. Foi então que, vinda do nada, a sétima onda a contar da primeira, atingiu uns seis metros, galgou a praia, arrastando montanhas de areia, e encharcou todos os que estavam distraidamente relaxados com a música, a conversa e a bebida.
Passado o susto inicial, o reboliço atingiu o bar e ela verificou que estava toda ensopada, numa mistura de água salgada, areia, pequenos calhaus rolantes e, a enfeitar-lhe o cabelo, uma alga gigante. Desatou a rir, por descompressão, pela figura que estava a fazer, ou pelas duas coisas. Foi quando ele, como que saído do mar, olhou para ela com um ar divertido e cúmplice, também alagado e coberto de algas. O riso dela contagiou-o e, enrolados em toalhas que o Batata distribuía, foram para um lugar mais aquecido continuar a conversa. Já não se lembra bem do nome do hotel, mas é um hotel de charme que abriu recentemente do outro lado da ponte, já na zona de Marrocos. Aproveitaram e fizeram a viagem no autocarro eléctrico que a Toyota está a experimentar que, noite das surpresas, também se recusou durante algum tempo a andar, por excesso de peso. Felizmente, eles não tiveram que sair, mas foi mais um motivo de riso e cumplicidade, quando viram que o Presidente da Câmara e a Comitiva que acompanhava o Primeiro Ministro Sócrates Pinto de Sousa, mais o próprio, foram convidados a sair, para dar um exemplo de boa vontade e simpatia perante o povo, contente, que não queria abandonar a experiência. Também o peso das consciências dos membros do Governo podia ser um factor decisivo a causar a imobilidade do veículo. Mas isso ninguém disse.
Ele só se ria, porque não entendia nada do que se estava a passar. Nem mesmo a língua, que lhe soava a russo.
Depois de devidamente arranjados na casa de banho do hotel, os empregados já não os olhavam mais de lado, como se fossem pedintes. A eles, também, tudo ficava bem. A conversa continuou animada, sempre em inglês, e ele foi-lhe contando pormenores da sua estadia em Portugal, onde vinha promover a marca de Michael Kors, pormenores da sua carreira de modelo, que o tinha salvo de uma vida devassa, e por aí fora. Ela ouvia embevecida e ele, curiosamente, achava-a o máximo.
Mais bebida, mais conversa, e acabaram numa noite em que várias ondas atingiram a suite de luxo do tal hotel de charme. De madrugada, quase dia, ela decidiu chamar um táxi e deixá-lo dormir. Apenas lhe escreveu um bilhete que não é para partilhar com cuscos. Ele não deu pela sua saída. Um clássico. Ela nunca lhe chegou a dizer onde vivia. É certo que cometera adultério, mas por uma boa causa: a sua. Afinal, é ínfima a probabilidade de dar de caras com  Tyson Beckford num bar do Porto, e ainda por cima sentirem aquela cumplicidade única.
Entrou de fininho em casa, tomou um duche e foi dormir. Quando acordou, a altas horas da manhã já tarde, não tinha a certeza se tinha sido tudo sonho. 
Mas a verdade é que na rua não se falava noutra coisa e ela constatou com os próprios olhos que havia montículos de areia por toda a estrada, o bar estava parcialmente destruído e, na zona da Anémona, nem os carros podiam passar. A filha, ao chegar da escola, contou-lhe que a melhor amiga escorregou na areia ao chegar a casa, precisamente nos edifícios de pedra junto ao mar.
Também a imprensa local, os noticiários, bem como a net (e como diz o outro, se está na net é verdade)  davam nota do fenómeno que havia atingido a zona. E que fenómeno!

Nota: se esta insónia tivesse ocorrido com Funes, ele ter-se-ia encontrado na praia com o Dr. Bucéfalo e teriam ido para a sumputosa casa deste. Mdme Funes teria descoberto tudo e dado uma tareia ao marido que, por ambos os motivos, ficaria em Estado de Graça.

E você, também condenaria Kevin Carter?

 A  fotografia correu o mundo e ganhou o prestigiado prémio Pulitzer: a menina do sul do Sudão, desesperada com fome, com um abutre à espera.... Muitos condenaram Kevin Carter como abutre, por  não alimentar a criança. Ele suicidou-se aos 33 anos. A menina sobreviveu até adulta.
E você? O que faria? Também condenaria o fotógrafo pela opção tomada?

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Poderá ser um dos retratos de Funes em pequenino?

Hoje,

É mais disto, que daquilo.O cara de fuinha mesmo a pedi-las ganhou ao boneco da Michelin.
Helás!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Vigiar a Costa para quê? Até somos um país do Interior da Europa! Não desperdiçamos como a Suíça, que tem uma dezena de barcos patrulha por causa de uns lagozecos, vulgo a "Marinha suíça"

Os radares foram avariando e o sistema LAOS foi para o caraças. Só sobraram dois radares fixos, no Algarve, e três móveis, ao sabor do vento, das marés e dos humores. Os radares do sistema LAOS avariaram e foi considerado economicamente desinteressante repará-los. A seguir aos radares, foram embora os polícias que, sem radares, não estavam  a fazer nada nos postos de vigia, um desperdício de recursos. Afinal, somos um país com uma costa de tamanho ridículo, pelo que basta ser vigiada por 50 binóculos, enquanto não forem para o estaleiro. Com o sistema LAOS inoperacional e o sistema SIVICC a  entrar em funcionamento lá para as calendas, traficante amigo, é hora, o governo está contigo! Cuidado é com o Algarve, do Ancão até Sagres.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Olhem directamente para mim,

Não se sentem já transformados em pedra?
Medusa, por Caravaggio

Farta!

Grito,
Mordo
As palavras.
Arranco
Os cabelos.
Parto
A louça,
Bato com
As portas.
Arranho
As mãos
De apertar
Os punhos.
Tanta é
A Raiva
Que acorda.
Um vulcão
Entrou em
Erupção.
Toda tremo
Por dentro,
A implosão
Gerou
A explosão,
Toda tremo
À superfície.
Não fossem
Estas dores,
Saía pela noite
A mais de
200 Km
Por hora,
Até cair
Num abismo,
Para sair
Deste,
Ou bater
Numa parede,
Para me libertar
Destas,
Com os seus
Olhos
Ouvidos
E bocas
Mesquinhas
Assustadoras
Mortíferas.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

تهاني مصر / Congratulations Egypt!


 
Egypt, accept my love, hope and admiration, and don't forget the student that posted a comment on facebook, that created a chain reaction of millions....Now is time to celebrate, but democacy will take its time...don't let it dye before it is born in the difficult path towards its achievement: democracy, the best of all bad political systems.

Uma rosa para Mofina

As palavras estorvam, deixo-te uma rosa, para que saibas que estou contigo e com JG em pensamento e emoção.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

The Promise

“Love comes when manipulation stops; when you think more about the other person than about his or her reactions to you. When you dare to reveal yourself fully. When you dare to be vulnerable.” Joyce Brothers





Haikus para Funes/Haikus for Funes

Nariz entupido
Sobre Cavaco
Melhor calado


Without flowing wine
How to enjoy
Presidential Beauty?

Coincidência criativa

Acordo com um olho desfocado. Chateia-me ter o olho desfocado.
O mundo, porém, não parece compreender isso. Indiferentes ao meu olho desfocado, os telejornais continuam a debitar reportagens sobre multidões à calhoada no Egipto e sobre uns ventos que sopram a trezentos à hora na Austrália. Como se essas notícias fossem mais importantes do que o meu olho desfocado! Como se o devessem ser!
Ninguém quer saber do meu olho desfocado. É porque dormiste demais, com o olho na travesseira.
Incomoda-me que ninguém queira saber do meu olho desfocado.
Como podem não querer saber? Como podem ficar indiferentes ao meu olho desfocado? Como podem não sofrer comigo o que eu sofro com o meu olho desfocado? Como podem continuar a viver felizes, sabendo que tenho o olho desfocado?
Hoje, os blogs vão encher-se de posts sobre as merdas que o Google coloca na sua página inicial em cada dia. Há gente que pensa que não temos acesso à página inicial do Google.
Acordo com o olho desfocado. Chateia-me ter o olho desfocado. 
E não há info-excluídos neste país. Todos se deviam centrar no meu olho desfocado. Se têm de entregar a declaração de IRS pela net, mesmo que nunca tenham visto um computador, ainda que desfocado, deviam centrar-se na tristeza que sinto com o meu olho desfocado. 

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Superbowl Halftime Great Show : Black Eyed Peas

aconselha-se full screen

O que se está a passar no Egipto e no mundo árabe, em geral, é fascinante

Tantas tiranias a cair como um dominó, umas de forma violenta, outras de forma negociada, e por razões complexas, umas comuns, outras específicas do país. Mubarak está a agir de forma muito inteligente mas, no seu leito de morte, já não poderá dizer a Gamal:
-Achas  gostam de mim filho e que sentirão a minha falta?
-Por si até pedras comem, meu pai.
-Se eles por mim comem pedras, nacionaliza as pedreiras meu filho.


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vamos a um debatezinho?





Sei que o fim de semana não é muito bom para estas coisas, mas lá calha.
Tirado do blog Hello Sailors, fotografia incluída, vejam este vídeo, sobre uma tribo no Amazonas que era desconhecida até então. Ver aqui.

A doce laranja amarga deixou um comentário e penso que é um bom começo para saber o que pensam.

Isto levanta uma quantidade de questões, que não sei bem aflorar aqui.
Deixá-los como estão, evidentemente.
Levar-lhes a "civilização" para terem opção de escolha?
Os filhos o que prefeririam?

Vou resumir uma história passada em Moçambique no tempo do colonialismo, que ouvi uma vez contar:

Na aldeia não havia água. As mulheres tinham de percorrer cerca de 15 quilómetros para a ir buscar e outros tantos para voltar.
Então os portugueses, podiam ter sido quaisquer outros, resolveram fazer um poço na aldeia e assim poupar as coitadas das mulheres.
O chefe da aldeia (sei que não são estes os termos correctos) não queria nem ouvir falar do maldito do poço.
Dizia ele, que só traria problemas à comunidade. As mulheres nada teriam de fazer durante todo o dia, irriam começar as brigas por terem de se ocupar com qualquer coisa.
O poço foi feito.
Fez-se bem? Fez-se mal?

É esta a dualidade da nossa "civilização"





A Poison Tree, by William Blake

I was angry with my friend:
I told my wrath, my wrath did end.
I was angry with my foe:
I told it not, my wrath did grow.

And I watered it in fears,
Night and morning with my tears;
And I sunned it with smiles,
And with soft deceitful wiles.


And it grew both day and night,
Till it bore an apple bright.
And my foe beheld it shine.
And he knew that it was mine,


And into my garden stole
When the night had veiled the pole;
In the morning glad I see
My foe outstretched beneath the tree.