quinta-feira, 23 de junho de 2011

O que vale e que a Ministra da Justiça lê o meu blog,

Yes Mdm Minister Paulinha, varreu a Directora do CEJ, não havia outra solução. Já agora, mande-a para Gouveia, os moradores da muy nobre cidade que me perdoem! Mas a Juiza Geraldes certamente será competente a cumprir a penalidade.

terça-feira, 21 de junho de 2011

A acunpuntura é a solução

Uma nova penalidade no CEJ: teste anulado vale 10!

Eça de Queiroz, num dos livros de que mais gosto, "Uma Campanha Alegre", no seu estilo de ironia ate ao absurdo, questionava uma nova penalidade, aplicada por um juiz do seu tempo, que devia ter feito o curso na base do copianço. O juiz condenou um homem que matou a mulher e a cortou aos bocadinhos a varrer as ruas de Gouveia. Interrogava-se Eça, se as ruas de Gouveia eram de uma imundície tal que varre-las equivalia à pena de degredo, ou se  matar a mulher e corta-la em picadinho seria um acto tão meritório que devia dar direito a emprego remunerado pela Câmara.
Na linha deste juiz, os seus descendentes que ocupam a Direcção do CEJ entendem que, se for detectado o copianço incognito, os testes devem ser anulados, mas, para não estragar as férias a  ninguém, não havendo data, a solução é dar dez a toda a gente. Portanto, se alguém copiar num teste, a Direcção do Órgão que neste Pais forma os futuros magistrados entende ser justo anular o teste a todos, vai tudo a eito, mas não se faz novo teste por falta de data, a penalidade é todos terem 10! 
Este sentido de justiça é notável e em nome de um valor supremo: não haver data para novo teste e sua correcção antes das férias. Portanto, o gajo que copia, a partir de agora, deixa de estudar de todo, porque sabe que se o teste for anulado tem 10 e passa; o gajo que estuda e é um  nerd que até teve 18- porque 20 só os deuses e 19 esta reservado aos professores doutores - é premiado com um 10 sempre que incógnitos copiarem.
O que mais me e diverte nesta nova penalidade é a falta de senso dos formadores de magistrados no nosso pais, que pensam que nos enganam só porque mandam no CEJ. E o facto de a Direcção, apertada por todos os lados, ter mudado a posição, não invalida a tomada de posição inicial, anunciada como a mais justa pelo vice Dr. Elói, que contrabalançava a Justiça com as Férias, em favor das últimas. O que é legitimo num homem que trabalhou todo o ano. Justiça dos magistrados e Ferias deveria ser um novo tema em Introdução ao Direito. Já estamos fartos de Justiça e Segurança e de Justiça e Moral. Uma seca!
Portanto, a coisa começou bem na Direcção, que nem teve a decência de se demitir, e que devia ser corrida a pontapé, no mínimo.  A falta de carácter voltou a manifestar-se no emendar a mão à pressa e pressionada por todos os lados. Ou seja, quando não havia mais nada a fazer e não podiam ir de férias porque ninguém deixava. 
E estes tipos ficam impunes? Não, porque ser Director do CEJ sem o mais elementar sentido de Justiça merece emprego remunerado por esta Republica das Bananas, tal como ser almeida em Gouveia; ou então aquilo é uma imundice, e tudo leva a crer que sim, pelas cagadelas dos pombos visíveis a olho nu, pelo que trabalhar lá equivale a pena de degredo.
Quanto aos futuros magistrados, que vão acabar o curso em Setembro, acho muito bem que copiem, pois são remunerados por todos nós e ganham mais do que a maioria dos portugueses que não copiam. Têm toda a legitimidade para julgar criminosos, devedores e outros. Afinal, também sofreram as duras penalidades dos senhores directores, e ganham menos.
Mas nós, em tribunal, vamos também ter legitimidade para dizer: o Senhor Doutor Juiz, Vexa. não me engana, é do ano 2011, a geração do copianço, logo, alego impedimento. E o magistrado copião do  Ministério Publico vai acusar quem? Só os colegas que com ele forem desta colheita. E podemos sempre acrescentar que os advogados que se prezam não falam com magistrados copioes.
Este pais precisa deste apurado sentido de Justiça,  a Justiça trauliteira que atingiu o estado de graça do bobo da côrte.
Já agora, Sra Ministra Paulinha, pode varrer estes gajos das ruas da Justiça, forever? Não se esqueça de começar pela Direcção e Conselho pedagógico, porque o exemplo vem de cima e depois arrisca-se a ser varrida também. A expulsão dos futuros magistrados copioes e uma farsola.

P.S.: a falta de acentos não se deve ao acordo ortográfico, mas a um defeito do teclado. As gralhas devem-se ao adiantado da hora. Fick!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Poema matematico

Um Quociente apaixonou-se
Um dia
Doidamente
Por uma Incógnita.

Olhou-a com seu olhar inumerável
E viu-a, do Ápice à Base...
Uma Figura Ímpar;
Olhos rombóides, boca trapezóide,
Corpo ortogonal, seios esferóides.

Fez da sua
Uma vida
Paralela à dela.
Até que se encontraram
No Infinito.

"Quem és tu?" indagou ele
Com ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode chamar-me Hipotenusa."

E de falarem descobriram que eram
O que, em aritmética, corresponde
A alma irmãs
Primos-entre-si.

E assim se amaram
Ao quadrado da velocidade da luz.
Numa sexta potenciação
Traçando
Ao sabor do momento
E da paixão
Rectas, curvas, círculos e linhas sinusoidais.

Escandalizaram os ortodoxos
das fórmulas euclidianas
E os exegetas do Universo Finito.

Romperam convenções newtonianas
e pitagóricas.
E, enfim, resolveram casar-se.
Constituir um lar.
Mais que um lar.
Uma Perpendicular.

Convidaram para padrinhos
O Poliedro e a Bissectriz.
E fizeram planos, equações e
diagramas para o futuro
Sonhando com uma felicidade
Integral
E diferencial.

E casaram-se e tiveram
uma secante e três cones
Muito engraçadinhos.
E foram felizes
Até àquele dia
Em que tudo, afinal,
se torna monotonia.

Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum...
Frequentador de Círculos Concêntricos.
Viciosos.

Ofereceu-lhe, a ela,
Uma Grandeza Absoluta,
E reduziu-a a um Denominador Comum.

Ele, Quociente, percebeu
Que com ela não formava mais Um Todo.
Uma Unidade.
Era o Triângulo,
chamado amoroso.
E desse problema ela era a fracção
Mais ordinária.

Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade.
E tudo que era espúrio passou a ser
Moralidade
Como aliás, em qualquer
Sociedade.

O banqueiro bom

BANQUEIRO BOM É UM SER IMAGINÁRIO

Certa tarde, um famoso banqueiro ia para casa, em sua enorme limousine, quando viu dois homens à beira da estrada comendo relva. Ordenou ao seu motorista que parasse e, saindo, perguntou a um deles:
- Por que vocês estão comendo relva?
- Não temos dinheiro para comida.. - disse o pobre homem - Por isso

temos que comer relva.

- Bem, então venham à minha casa e eu lhes darei de comer - disse o banqueiro.

- Obrigado, mas tenho mulher e dois filhos comigo. Estão ali, debaixo

daquela árvore.

- Que venham também - disse novamente o banqueiro. E, voltando-se para

o outro homem, disse-lhe:

- Você também pode vir.

O homem, com uma voz muito sumida disse:

- Mas, senhor, eu também tenho esposa e seis filhos comigo!

- Pois que venham também. - respondeu o banqueiro.

E entraram todos no enorme e luxuoso carro.

Uma vez a caminho, um dos homens olhou timidamente o banqueiro e disse:

- O senhor é muito bom. Obrigado por nos levar a todos!

O banqueiro respondeu:

- Meu caro, não tenha vergonha, fico muito feliz por fazê-lo! Vocês

vão ficar encantados com a minha casa... A relva está com mais de 20

centímetros de altura!

Missa e Vodka

-
nervosismo de iniciante

Eu estava tão nervoso na minha primeira missa, que no sermão não conseguia falar. Antes da segunda missa, dirigi-me ao Bispo e perguntei-lhe como devia fazer para relaxar. Este, por sua vez, recomendou-me o seguinte: "Coloque umas gotinhas de vodka na água, vai ver que da próxima vez estará mais relaxado". No Domingo seguinte, apliquei a sugestão do meu Bispo, e estava tão relaxado, que podia falar alto até no meio de uma tempestade. Ao regressar a casa, encontro um bilhete do meu Bispo, que dizia o seguinte:

Caro Padre !
1º - Da próxima vez, coloque umas gotas de VODKA na água e não umas gotas de água na VODKA;
2º- Não há necessidade de por limão e sal na borda do cálice;
3º- O missal não é, nem deverá ser usado, como apoio para o copo;
4º- Aquela casinha ao lado do Altar é o confessionário e não o WC;
5º- Evite apoiar-se na imagem de Nossa Senhora, e muito menos abraçá-la e beijá-la;
6º- Os mandamentos são 10 e não 12;
7º- 12 são os apóstolos, e nenhum deles era anão;
8º- Não nos devemos referir o nosso Salvador e seus apóstolos como "JC & Companhia";
9º- Não deverá referir-se a Judas como "filho da p ... ";
10º- Não deverá tratar o Papa por "O Padrinho";
11º- Judas não enforcou Jesus, e Bin Laden não tem a ver com esta história;
12º- A água Benta é para benzer e não para refrescar a nuca;
13º- Nunca reze a missa sentado nas escadas do altar;
14º- Quando se ajoelhar, não utilize a Bíblia como apoio ao joelho;
15º- Utiliza-se o termo ámen e não "ó meu";
16º- As hóstias devem ser distribuídas pelos fiéis. Não devem ser usadas como aperitivo antes do vinho;
17º- Procure usar roupas debaixo da Batina, e evite abanar-se quando estiver com calor;
18º- Os pecadores vão para o inferno e não para "a puta que os pariu";
19º- A iniciativa de chamar os fiéis para dançar foi plausível, mas fazer um "comboio" pela igreja...
20º- Não deve sugerir que se escreva na porta da Igreja "HOSTIA BAR".
Post Scriptum: aquele que estava sentado no canto do Altar ao qual se referiu como "paneleiro travesti de saias" era eu!!...
Espero que estas suas falhas sejam corrigidas no próximo Domingo.
O Seu Bispo

Sexo e Reencarnaçao

REENCARNAÇÃO E CONTATO SEXUAL APÓS A MORTE...

Um casal fez um acordo que, se existisse reencarnação, o primeiro a morrer
informaria o outro como é que era.

O marido foi primeiro, contactou a mulher e contou-lhe:

"Meu Bem... levanto-me cedo e faço sexo.
Tomo o pequeno-almoço e vou para o campo de golfe.
Faço mais sexo, apanho sol e faço sexo mais algumas vezes.
Depois almoço, como muitos legumes e verduras, e mais sexo..
Depois do jantar, volto ao campo de golfe e faço mais sexo até anoitecer.
Depois, durmo muito bem para me recuperar e no dia seguinte recomeça tudo
igual outra vez."

A mulher pergunta: "Estás no Paraíso?"

" Não, reencarnei e agora sou um coelho numa fazendinha em Carangola..."

sábado, 4 de junho de 2011

Que desplante!

Sou cigano desempregado, vivo numa casa social espaçosa, com o rendimento mínimo e o Mercedes que comprei em 2010 a porta, graças a uns trocos obtidos na feira de Espinho. São quatro assoalhadas para mim e as garinas, mulher analfabeta, que apregoa na feira, e duas filhas, que a minha mulher não consegue alcançar um varão.
Pouca distracção tenho, agora que não sou nómada, Uma delas e convidar os companheiros de sangue e ver uns jogos de futebol em que entre o Quaresma e uns turcos.
No outro dia estava um calor do catano e pusemos o LCD 2 por 3 na ampla varanda, para apanhar a fresca, com umas cervejolas e uns tremoços a ver o Besiktas na final da Taça da Turquia.
Mas o tempo muda com facilidade nesta terra de vareiros e varinas e veio um pequeno tufão que atirou com o televisor borda fora pra cima do Mercedes.
Não e que o estupor do Presidente da Câmara se recusa a pagar-me os 5.000 aéreos que custou o LCD mais o arranjo do tejadilho do Mercedes, ultima geração, três volumes? Não sabe que o espera "a espera".

quarta-feira, 1 de junho de 2011

No dia criança, que hoje comemoramos numa rodinha de maos dadas com o MEP,

se não gostas do pai, podes comer só as batatas.

E. Coli O 104

Nada de pepinos e tomates, sobretudo de rama, e nem a alface escapa. Toca a comer muita carninha e morrer de gota. E melhor do que a outra morte. E nada de telemóveis, só sinais de fumo. Hug!