domingo, 2 de maio de 2010

Saphou espreita à janela, com o seu cabelo ao vento

clique na imagem se desejar ver o barco ao fundo
(Salvador Dalí, Mujer en la ventana en Figueras. 1926)

Por hoje, serrei as grades.
Limpei a casa.
Não sei se ouso ir lá fora,
Mas respiro a maresia,
e entoo a canção mentalmente .
A lua ainda permanece
com as memórias
da que foi menina
amada em tempos,
agora uma velha
senhora
espancada pelo antigo amor,
quatro vezes espancada!
Atazanada pelas crias adolescentes.
Amaldiçoada pela mãe insana.
E, contudo,
abre a janela
olha o mar,
sente-o,
respira-o,
que mais importa?
Esta mulher é uma sobrevivente,
como tantos milhões de outras,
sustenta a casa sózinha,
com medo ou sem ele,
alimenta os que a corroem,
é burra?
Xô, poeira, xô!

11 comentários:

marta disse...

Eu levo uma prenda tua

saphou disse...

Adoro-te marta, até estavas aí neste exacto momento! besos

saphou disse...

Mas é que te adoro até ao fim dos tempos.

mac disse...

Que a maresia te aconchegue, Saphou!

jama disse...

Epa! não é que a cachopa da pintura me parecia mesmo a Saphou (ainda que com mais uns quilitos)!? Até pensei que tinha sido a Saphou a fazer a pintura com recurso a dois espelhos!

Mofina disse...

Saphou, Mãe-Mulher coragem!

Blimunda disse...

Hoje não anseio pela palavra impressa. Fico apenas a contemplar-te à janela. Posso?

saphou disse...

Adoro-vos Bli (posso chamar-te assim?) Mofina, Mac, e mesmo a Cristina, a gaja da testosterona a mais!
Jama, um GRANDE AMIGO!

saphou disse...

Vocês são mulheres coragem, eu nem por isso!;)

saphou disse...

E dão-me muita coragem, nem imaginam...o não me deixar quando eu quero voar sem asas...aqueles Bom Dia Saphou...todas, aqui, no coração.

mac disse...

Saphou, eu tenho uma (uma?!? O resto da couve tem tantas teorias como humores, chiça!) teoria: acho que há gente com quem a porta do coração só funciona no sentido da entrada, para sair não dá.
Ainda bem, olha lá se alguém precioso me voava fora! Livra!!!