terça-feira, 4 de agosto de 2009

"É de laço e de nó..."

Dizem que o Homem só deve pensar em descendência quando estiver preparado para criar algo superior, que justifique a evolução e dignifique a humanidade, transmitindo através desse novo ser os ideais que elevam as almas e não as profissões. Estarei, portanto, ocupado nos próximos 10 anos.

Após isso, em 2029, estarei numa pizzaria a cortar vegetais em Paris. Viverei uma vida humilde durante 2 meses nessas paragens, de onde seguirei para Londres, onde serei cantoneiro pelo período financeiramente necessário para seguir para Roma, e assim sucessivamente, até chegar a Cuba. 10 anos após estarei em África a construir abrigos com tijolo de 7´.

Com 70 anos, regressarei a Portugal para preparar o fim da viagem, procurem-me no monte, entre os cedros, os pinheiros e as salvias. Lá estarei rodeado por violetas, flores do campo, a ler e a fumar charros. Se, em vez de mim, encontrarem um homem louco, de longas barbas, mãos trémulas e a tosse convulsa, perguntem-lhe, ele saberá dizer onde estou. Muito provavelmente a subir e a descer embalado entre os dois cornos das alturas, na minha bicicleta de farolim.

14 comentários:

Mofina disse...

Emigrante, é melhor fazer a volta ao contrário.

saphou disse...

Grande vida! Será fraldiqueiro?

Privada, o bacoco disse...

Isso poderia por em causa a minha descendencia, quem casava com um velho de 70 anos, sem patrimonio, tenho que começar pelo filho.
Saphou depreendo que me visitarás com caixas de bombom com recheio de brandy

saphou disse...

Privada, claro que sim, se ja não estiver a fazer tijolo.
Deduzo que já não virás ao Porto...

saphou disse...

Oui mon Cherry

saphou disse...

Pá, fiquei com vontade de comer desses mon cherry, mas estou demasiado cansada hoje, sinto-me doente, vou morrer para a outra sala e volto mais tarde.

Privada, o bacoco disse...

Pois estava para vir, mas é bem capaz de nessa altura não ter dinheiro para TGV. :-((((

privada disse...

Oh fogo, espera vou ver se me sai algo alegre, nao sei k se passa com a minha inspiração, desde que a tasca aqui ao lado fechou, que me falta a piada.

saphou disse...

A minha bicleta não tem farolim. Vou pôr-lhe um e uma campainha, talvez duas rodinhas atrás para não me espatifar mais vezes.

saphou disse...

Compra uma garrafa de vinho maduro tinto, queijo curado e bolachinhas de água e sal, mais tostas, que volta tudo...Mas o teu post é fabuloso.
Uma infusão da Maria Joana também dá uma ajudinha.
Mas não mistures.Pode dar merda.

hashre disse...

Também já viram a porra do tempo pesado que está?Parece que o céu nos vai cair em cima e eu nem sou gaulês.

privada disse...

Sim campainha sim.
Olha, o puto que resta na aldeia tem uma daquelas gigantescas, e a buzina faz o som de um boi. Quando aparece lá pela minha rua, espeta com a bicicleta no patio e põem-se:
- Muuuuuuuuuum , Mummmmmmmmm, óh Privadaaaaa souu eu, o Gabí, Muuuuuuuu muuuuuuu
Diga-se que a primeira vez pensei que era uma manada de vacas revoltadas, agora já me habituei, ele fica na Playstation e eu vou por aqueles caminhos assobiar às vacas. Mu Mum Mu - Ei tia Teresa Mu Mu

privada disse...

Ah isso é o k mais gosto, nao a Maria Joana que é uma chata, fala mais do que eu, das tostas e do keijinho, no outro dia descobri uma nova, é delicias do mar esfarrapadas, com maionese e salsa, tudo mt batidinho com um vinhinho e tostas. Adorei.
Isto enquanto ouvia a historia de uma chata kk, k tem uma colega no trabalho ke lhe boicotar o emprego, k trabalha numa dakelas empresas ka ja faz a meditação e porporciona altos eventos aos colaboradores. Foi mt interessante

Regina disse...

Ganda Elis...