segunda-feira, 6 de abril de 2009

Saphou, a fazedora de chuva

Se quiserem que chova, é só pedirem-me. É um facto comprovado por numerosas experiências ao longo dos anos que sempre que lavo o carro chove. Perguntem a quem convive comigo mais de perto. Pode estar um sol radioso mas, no próprio dia ou no dia seguinte, chove. Posso passar seis meses sem lavar o carro, basta lavá-lo para que chova. Posso passar um ano sem lavar o carro, basta lavá-lo no Algarve em pleno Agosto para que chova.
Por isso, não temam a seca. Não gastem dinheiro e energia em danças da chuva. Basta pedirem-me para lavar o carro. Se patrocinarem, lavo-o todos os dias, várias vezes ao dia, impedindo até o aquecimento global (que, segundo a opinião avalizada do meu filho, é um mito para dar emprego a muita gente, tal como o mito de que as batatas fritas ou o chocolate fazem borbulhas, desfeito por Tyra Banks, a insuportável host de um mísero talk show, milhões de vezes pior do que o de Oprah).
Tenho outro poder, mas que não serve de muito ao meu semelhante: arranjo estacionamento em qualquer sítio, mesmo que me digam- "Não leves o carro porque não arranjas onde estacionar". A minha resposta é um sorriso divertido. Chego, há sempre um lugar à espera do meu carro. Em plena baixa do Porto, no centro de V.N. de Gaia, no centro de Lisboa, ou Madrid... you name it. E estou apenas a falar de poderes comprovados cientificamente.

5 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Eu também tenho o primeiro poder. E quem me dera ter o segundo, o do estacionamento!

AR disse...

Eu tamabém tenho o 2º.
E ainda ganho umas jantes amnarelas

saphou disse...

Funes, tb só lava o carro sob ameaça a ser levada a sério?
Somos bons!

AR, não me faça rir mais que já me dói a barriga.

rps disse...

Ao ler o comment de AR não posso, uma vez mais, execrar o dia em que ele mudou de tarifário do tlm e deixou de enviar sms verteiros como só ele consegue.

rps disse...

certeiros, claro - não verteiros.