terça-feira, 9 de dezembro de 2008

vertigens

Fechado para obras por motivo de síndrome vertiginoso.
A acreditar no optimismo bacoco e grunho do Bola de Ouro, mais conhecido por C7, as vertigens "há-dem passar". Mas já duram há um mês. Não é "há-dem", ó CR e afins, é "hão-de" e sou do tipo que vê o copo meio vazio. Acho que já nem água, vinho ou groselha tem. Estou no inferno. Já agora, Hades é o deus dos infernos. Não se diz "há-des, mas "hás-de". Dass.......ist nicht Schön zu sagen!
E NÃO OUSEM PERGUNTAR:- Já fizestes uma ressonância magnética à merda do cérebro? É "FIZESTE" e ainda não FIZ e TENHO MUITO MEDO DE FAZER. Scheisse! Por muito que a língua seja um ser vivo, evolutivo, isto ainda são e serão ERROS ORTOGRÁFICOS.
Alguém de dá uma benzodiazepinazinha antes que parta isto tudo?

15 comentários:

eug disse...

"e sou do tipo que vê o copo meio vazio."

Você escolhe o que você quer ver.

"Acho que já nem água, vinho ou groselha tem. Estou no inferno."

Já disse alguém que o inferno tem uma enoooorme vantagem: encontramos moooontes de amigos por lá!!!

:-)

"Já agora, Hades é o deus dos infernos. Não se diz "há-des, mas "hás-de". Dass.......ist nicht Schön zu sagen!"

Pq não é bonito de dizer?

"E NÃO OUSEM PERGUNTAR:- Já fizestes uma ressonância magnética a merda do cérebro?"

Procurando por um tumor cerebral?

Duvido muito que o encontres...

"É "FIZESTE" e ainda não FIZ e TENHO MUITO MEDO DE FAZER. Scheisse!"

Como é mesmo? Shit!
:-)

"Alguém de dá uma benzodiazepinazinha antes que parta isto tudo?"

Relaxa e respira!
Muda o foco da sua "telinha mental"!

:-)

eug disse...

"e sou do tipo que vê o copo meio vazio."

Ligando o modo muito fdp:

Bah, você é tri feliz, porque ainda
está vendo o copo!!!!

:-)

saphou disse...

Dass, em português é short para o palavrão f...-... Aproveitei o trocadilho, a inocência do Dass alemão. besos en tus ojos verdes.

eug disse...

Talvez nem seja tão ruim não
ver o copo...

http://artedartes.blogspot.com/2008/12/explicando-fsica-quntica-ou-tentando.html

(...)
Se seguirmos o exemplo de Galileu e procurarmos descrevê-la matematicamente, descobriremos que o universo não é nada material! O universo físico é essencialmente não-físico e pode se originar de um campo ainda mais sutil que a própria energia, mais semelhante à informação, à inteligência ou à consciência, do que à matéria. - E não estamos falando de misticismo, nem de religião, estamos falando de descobertas e constatações 100% científicas.

A teoria da relatividade, a mecânica quântica, a influência dos pensamentos e das emoções sobre nossos corpos, as ditas “anomalias” como a percepção extra-sensorial, a cura pela mente, a vidência, a atuação de sensitivos, as experiências de quase-morte... todos esses fenômenos nos mostram a necessidade de um modelo científico diferente, um novo paradigma que inclua todos esses fenômenos dentro de uma teoria mais abrangente sobre o funcionamento do mundo.

O que é a realidade? A maioria acha que realidade é o que nossos sentidos projetam para nós.
(...)

eug disse...

"Dass, em português é short para o palavrão f...-... "

Mim não sabia.

saphou disse...

Sim. F...-..!

eug disse...

:-)

http://www.youtube.com/watch?v=5hgsw5Hg0Ag

saphou disse...

Álvaro, espero que gostes da tradução que te fiz com prenda de Natal.

saphou disse...

GU, vou ver.besos

saphou disse...

Maravilha! pena que não possa colocar no blogue porqué la´diz que não dá! Five points.

eug disse...

http://www.transparentcorp.com/community/forum/index.php?showtopic=3100&mode=threaded&pid=13233

A mild degree of respiratory alkalosis produces dizziness or light-headedness: people feel "high" and experience loss of critical thought and judgment. More prolonged or vigorous overbreathing produces numbness and tingling of the fingers, toes, and lips; sweating; pounding of the heart; ringing in the ears; tremulousness; and feelings of fear, panic, and unreality. Even more vigorous and prolonged overbreathing can cause muscle cramps, including clawlike rigidity of the hands and feet, body cramps, and severe chest pain and tightness.....
By consciously reframing, or relabeling, the effects [of hyperventilation], thus confounding individuals' gut-level reactions that something unpleasant has happened, [spiritual] leaders turn a frightening state into a supposedly positive one, telling neophytes, for example, that they are "becoming blissed out, ... getting or receiving the spirit, ... on the path."

eug disse...

http://www.iconoclastpress.com/bookEnlightenmentKnowledgeSpiritualityMysteryExistence.htm





“If you study life deeply, its profundity will seize you suddenly with dizziness.”

Albert Schweitzer

eug disse...

Joanna - Vertigem

Eu sou o que me pede o coração
Na hora que a saudade me desperta
E me deixa sem razão
Desenho o teu rosto na paisagem
Na face escura da cidade
Te contemplo com a mesma paixão
Como se o último beijo
Fosse o primeiro
Como um romance, um cinema
Assisto ao drama impossível
Sem querer me entregar
A vertigem de perder-te
Te foste como as cores
De uma velha aquarela
Deixaste tantas sombras
Samambaias na janela
Que na lembrança ainda me refazem
Me devolvem teu perfume
Se o passado é tão presente
Em cada instante, cada cena
Não é passado
É somente minha vida que estancou
E como louca ouço valsas
Noites, beijos na varanda
Tua voz dizer-me coisas
És um soneto antigo

eug disse...

Mafalda Veiga - Vertigem

Haverá luz
Sugada no escuro?
Será calor
O murmúrio do frio?
Terá amor
O avesso da vida?
Haverá sonhos
No fundo da dor?
Serão gritos
Os cais do silêncio?
Será coragem
A tremura do medo?
Haverá chuva
Que lave este sangue
E deixe que a terra acalme
Devagar

Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

Será só
A vertigem do abismo?
Será mordaça
A leveza do pó?
Haverá negro
Sugado na luz?
Haverá longe
Por dentro de nós?

Ando sobre
Uma aresta de gelo
Na vertigem
De um trapézio de fogo
Mas canta-me um pouco
Na tempestade
E deixa que a terra acalme
Devagar
Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

mac disse...

Saphou, eu cá não percebo nada destas filosofias de ponta, e de medicina ainda menos... Mas durante 3 meses não conduzia o carro a menos que fosse sózinha, porque dava-me assim a modos de uma fraqueza crescente, uma tontura espacial que, apesar de tudo, me permitiu sempre encostar á berma sem bater em ninguém!
Foi um anti-climax, quando finalmente o cardiologista me recitou potássio, durante um mês...

Já foi há alguns anos, isto.